Justiça determina que planos de saúde não podem limitar sessões de psicoterapia


Com a anulação da restrição aos atendimentos em psicoterapia, a sentença da Justiça determina que a cobertura dos planos corresponda ao número de sessões prescritas pelo profissional de saúde responsável

A Justiça Federal determinou que os planos de saúde em todo o Brasil disponibilizem número ilimitado de sessões de psicoterapia para seus clientes após ação do Ministério Público Federal em São Paulo (MPF). A decisão anula parte da Resolução 387/2015 da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelecia a obrigatoriedade dos convênios de arcar com 18 atendimentos por ano para tratamento de síndromes e transtornos psicológicos. A sentença foi proferida em 10 de maio, mas o MPF só foi notificado de seu teor na última semana de junho.
A 25ª Vara Cível da capital paulista acolheu os argumentos do MPF e destacou que a norma editada pelo órgão contraria tanto a Constituição Federal quanto as leis que regulamentam o setor. Segundo o MPF, um exemplo é a Lei 9.656/98, que dispõe sobre os planos de saúde e fixa como regra a inexistência de limite para a cobertura assistencial. Entre as exceções estão procedimentos específicos como tratamentos experimentais, inseminação artificial e procedimentos odontológicos, mas o texto não trata sobre psicoterapia.
“Chega a ser, não diria cínico, mas, ao menos, ingênuo o argumento de que o limite estabelecido é o mínimo de sessões de psicoterapia que a operadora do plano de saúde está obrigada a oferecer, podendo ela oferecer mais que esse limite”, acrescentou o juiz federal Djalma Moreira Gomes ao tratar da justificativa que a ANS apresentou.
“A experiência revela que isso não acontece na prática. As operadoras fazem [no máximo] aquilo que o órgão regulador/fiscalizador lhes impõe, o que é compreensível até em razão de questões de custos e de mercado.”
Com a anulação da restrição aos atendimentos em psicoterapia, a sentença da Justiça determina que a cobertura dos planos corresponda ao número de sessões prescritas pelo profissional de saúde responsável.
A decisão judicial é resultado de uma ação civil pública do MPF proposta no ano passado. O procurador da República Luiz Costa, autor do procedimento, destacou que, além de ilegal, a norma da ANS é inconstitucional por afrontar o direito social à saúde e ir de encontro às diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS). De acordo com o MPF, “ao indicar um número máximo de sessões por ano, a ANS extrapolou seu poder regulatório e manteve em vigência uma resolução que vai além do que a legislação permite”.
Procurada pela Agência Brasil, a ANS informou que recorreu da decisão e aguarda nova decisão da Justiça sobre o recurso.

Finalmente, a Justiça reconheceu a necessidade do pagamento das sessões de psicoterapia pelos Planos de Saúde que insistem em não cumprir a Lei. 

Psicoterapia Solidária em Recife



Quando concluí a graduação em Psicologia prometi a mim mesma que, sempre que possível, facilitaria o acesso ao tratamento psicoterápico às pessoas que não dispõem de recursos financeiros para arcar com consultas particulares. E o tenho feito há 18 anos.
Mas, agora, também estou disponibilizando este acesso àqueles que, temporariamente, estão vivenciando esta dificuldade em virtude das condições sociais e econômicas que o país enfrenta. Assim, decidi dar minha parcela de contribuição e ajudar a quem, emocionalmente, está sendo afetado por esta crise. 
Valores de acordo com a tabela das Clínicas-Escola.
Agendamentos de consultas através do telefone: 81-999894865. 
Aos amigos que concordarem com a ideia, ficarei grata se compartilharem para que mais pessoas tenham acesso à informação e ao serviço. 

Muita paz!

7 Coisas sobre o casamento que você precisa saber - antes de casar!

Embora cada vez menos pessoas estejam se casando hoje em dia, pesquisas sugerem que casar e manter a união é uma das melhores coisas que você pode fazer por si mesmo. Como o New York Times concluiu recentemente: “estar casado deixa as pessoas mais felizes e satisfeitas com suas vidas do que aquelas que permanecem solteiras” — principalmente, durante os períodos mais estressantes da vida, como a chegada dos 30. Sim, é claro que toda mulher deseja ser tratada pelo parceiro como uma “rainha”. 
E uma rainha de verdade deixa o drama de lado pra pensar no que realmente está em jogo. Antes de subir ao altar você vai querer conferir as dicas reunidas pelo Business Insider:

1) Se você esperar até os 23 para se casar, há menos chances de se divorciar.
Uma pesquisa de 2014 feita pela Universidade da Pensilvânia descobriu que cerca de 60% dos americanos que têm filhos ou se casam aos 18 acabam se divorciando, enquanto aqueles que esperam até os 23 para qualquer uma dessas situações têm apenas 30% de probabilidade de se divorciarem. A revista Atlantic sugere que isso ocorre porque quando nos casamos jovens não somos maduros suficientes para escolher o parceiro adequado.



 

2) Aquela fase de paixão intensa dura cerca de um ano.
A fase da lua de mel em que ambas as partes estão extremamente apaixonadas e vivendo sentimentos intensos de atração e êxtase não dura pra sempre. Segundo um estudo de 2005 da Universidade de Pavia, na Itália, essa fase dura somente cerca de um ano.

3) Você acaba percebendo que não é mais só você consigo mesmo.
Assim que você começa a morar junto com alguém você percebe que ambos têm prioridades e tolerâncias diferentes — o que, por um instante, pode causar um problemão ou simplesmente não causar. “As pessoas têm que entrar num acordo com a realidade de que nós realmente somos pessoas diferentes”, disse a terapeuta de casais americana Ellyn Bader. “Você é diferente de quem achei que você fosse ou queria que você fosse.     Temos ideias diferentes, sentimentos diferentes e interesses diferentes”. 

É uma evolução estressante, porém necessária.


 

4) Se você fica contente quando seu parceiro vem com boas notícias, então terá um relacionamento melhor.
Em diversos estudos, casais que celebravam ativamente notícias boas (em vez de desconsiderá-las) registraram uma taxa maior de bem-estar no relacionamento.    

Por exemplo, se uma esposa chega em casa e divide com o marido uma boa notícia em relação ao trabalho, a melhor coisa que ele tem a fazer é dar uma resposta “construtiva-ativa”:

• Construtiva-ativa: “Que notícia boa! Eu sabia que você era capaz, ainda mais depois de tanto trabalho duro!”.

• Construtiva-passiva: um sorriso e apenas um “Que notícia boa”.

• Destrutiva-ativa: “Isso significa que você vai trabalhar mais do que já tem trabalhado? Tem certeza que vai aguentar isso?”

• Destrutiva-passiva: “Sério? Meu, você não sabe o que aconteceu comigo hoje no caminho de volta pra casa!”.

5) Os casamentos mais felizes são entre melhores amigos.
A Agência Nacional de Pesquisa Econômica dos EUA descobriu através de uma pesquisa feita em 2014 que o casamento realmente traz a sensação de bem-estar, principalmente àqueles que são amigos próximos. A amizade, segundo a pesquisa, é o principal mecanismo que ajuda a explicar a relação entre o casamento e a satisfação.


 

6) Quanto mais parecida é a idade do casal, menor é a probabilidade de se separar.
Um estudo da Emory University, nos EUA, feito com 3 mil pessoas – divorciadas e casadas – descobriu que a diferença de idade está ligada ao desgaste no casamento. A pesquisa revelou que um ano de diferença entre o casal torna os parceiros 3% mais propícios ao término (quando comparado a um casal da mesma idade); uma diferença de cinco anos entre o casal já faz a estimativa subir para 18%, e um casal com 10 anos de diferença tem 39% de chances de se divorciar.

7) O ressentimento só aumenta em casais que não dividem as tarefas de casa.
Mais de 60% dos americanos dizem que ajudar nas tarefas de casa é um dos pontos cruciais para um casamento durar. Em sua obra “Não é você, é a louça”, a escritora Paula Szuchman recomenda um sistema onde cada pessoa fica com as tarefas que sabe fazer melhor. Resumindo: se você é realmente melhor lavando louça do que passando roupa, então essa deveria ser a sua tarefa. Isso irá tomar menos seu tempo do que do seu parceiro, assim como o seu, ele(a) vai gastar menos tempo passando roupa do que você gastaria. “O que no final significa que vocês economizaram bastante tempo”, diz Paula. 


Fonte: Yahoo

Onze Coisas Que Você Nunca Deve Dizer No Trabalho




Tudo o que você diz sobre as coisas, interfere na imagem que as pessoas fazem de você, independente se é um comentário no horário de almoço ou a exposição de uma ideia na reunião.
Por causa disso, é preciso tomar cuidado com o que se fala em um ambiente de trabalho. Confira 11 frases listadas pelo site Bussiness Insider que nunca devem ser ditas:

1- "Será que isso faz sentido?”
Quando um colega propõe uma ideia, ao invés de questionar a proposta da pessoa com ar de desprezo, pergunte o que ela pensa sobre o assunto, explica a coach Tara Sophia Mohr.


2- “Isso não é justo”
Reclamar dizendo que algo é uma injustiça não vai mudar a situação. De acordo com o autora do livro “Well Said! Presentation and Conversations That Get Results”, Darlene Price, o ideal é estruturar o seu argumento e debater para obter resultados.


3- “Eu não tive tempo”
Na maioria das vezes, essa frase não passa de uma mentira, pois se você não fez a tarefa,  provavelmente se esqueceu dela. A dica é se organizar para deixar todas as atividades em dia.


4- “Apenas” ou "Só"
Adicionar "apenas" ou "só" como palavras de enchimento em frases, como dizer "Eu só quero verificar se..." ou "Eu só acho que..." pode parecer inofensivo, mas prejudica o que você está dizendo. Tara explica que essas palavras dão a entender que o orador está na defensiva.  Sem elas, você vai falar com mais autoridade.


5- “Mas eu mandei um e-mail há uma semana”
Se alguém não te responde algo, é seu trabalho ir atrás da resposta. É bem melhor ser proativo ao se comunicar do que deixar outra pessoa assumir a culpa.


6- "Eu odeio..." ou "É tão chato quando...”
Insultos não têm lugar no escritório, especialmente quando dirigida a uma pessoa específica ou a prática da empresa. Esse tipo de linguagem parece infantil.


7- "Isso não é da minha responsabilidade”
Mesmo que uma tarefa não seja seu dever específico, fazer outras tarefas que estejam ao seu alcance mostra que você é uma pessoa que sabe trabalhar em equipe e está dedicada à empresa.


8- "Você deveria ter...”
Darlene afirma que essa frase sugere que o orador está apontando os defeitos do outro e provocando um sentimento de culpa. Ao invés disso, ela sugere uma abordagem mais positiva, como “No futuro, eu recomendo...”.


9- "Posso estar errado, mas...”
Essa expressão reduz, imediatamente, o impacto de tudo que você está prestes a dizer, ou seja, isso diminui o significado da sua contribuição.


10- "Desculpe, mas...”
Isto implica que você está sendo automaticamente irritante. "Não se desculpe por ocupar espaço, ou por ter algo a dizer", diz Tara. 



11- "Na verdade..."
Começar uma frase com a expressão “na verdade” coloca distância entre você e o ouvinte por insinuar que ele estava, de alguma forma, errado. 

Fonte: Yahoo

Feliz Páscoa



Desejo uma Páscoa de muita paz para todos!

Abraços,
Cristina Santos

Sou Feliz Porque...



E você?

Possibilidades



Adoro criar coisas na net, porisso, a partir de hoje estarei postando algumas tirinhas especiais que, também, estarão em meu perfil no Facebook. 
A frase de Chaplin é totalmente verdadeira, só nos falta coragem para realizá-la.
Boa semana para todos!

Abraços,
Cristina Santos
 
Cristina Santos